segunda-feira, 20 de junho de 2016

Era uma vez... 19/05/2002


Era uma vez um menino que cresceu dentro de uma Bicicletaria escutando historias e mais historias sobre corridas de bicicletas...
Um dia ele ganhou do seu pai uma Caloi Campiníssima que foi pintada pelo seu irmão Jacques e montada com peças que sobrava das outras bicicletas...
A Sapatilha era um Kichute e o capacete era remendado com fita isolante, a bicicleta tinha 10 marchas com uma catraca Regina 14/22 aros Cassola e pneu tubular com alguns remendos Vipal na banda de rodagem e um cabio trazeiro suntour todo furado pra ser mais leve.
Semanas e semanas treinando ate o Lami e na Coronel Massot com ao olhos do Seu Macedo e do Chiquinho.
Nem dormi direito na noite que se antecedeu a Corrida, pois era a minha primeira corrida e eu não imaginava como ela seria mas como meu pai dizia " pra ganhar de todo mundo você tem que começar de algum jeito, nem que seja perdendo ".
Eu queria Ganhar, queria dar esse orgulho pra ele, queria ser bom como meu pai foi, como meu irmão Jacques era na época dele.
19/05/2002 cegando nas Cuias, meu pai foi me escrever e só tinha eu na categoria ate 14 anos, e meu pai decidiu que eu ia correr na Estreante /Livre pq não queria que eu ganhasse uma "Corrida Ganha", me lembro que os dirigente falaram pra ele que era muito forte a categoria pra mim, mas meu pai não queria que eu corresse sozinho, ele dizia que se fosse muito fácil isso iria me estragar...
Na linha de largada eu olhei pro lado e só tinha homem feito, tinha um que era o dobro de mim e eu com 48kg apavorado com aqueles caras e aquelas bikes que eu só via em revista...
Maior pressão e meu pai foi me dar os últimos conselhos que ate hoje lembro.. " - nao tq criei pra ter medo, faz o que tu treinou pra fazer aqui"
Foi dada a largada e meu coração quase saia pela boca, me sentia dentro de uma boiada, aguentei por 30min no pelotão mas já nao aguentava mais, era uma engenharia trocar de marcha nas curvas na palanquinha, até que eu SOBREI DE RODA...


Aquele momento em que todos os seus sonhos desaparecem e tu começa a querer desistir de tudo, Cruzei a linha de chegada e faltava 4 voltas e meu pai Gritou e disse que eu tinha que acabar a prova!
E pela regra se o pelotão te da 1 volta tu era desclassificado...
Foi as 4 voltas mais longas da minha vida, fiz muita força pra não ser engolido por aquele pelotão....
Eu, Criança descobri naquele dia, na minha primeira corrida que ciclismo também é dor, e se temos que nos superar!
Cheguei em ultimo, nao tive grandes aplausos e nem grandes comemorações, voltamos pra casa pra comemorar o aniversario do meu irmão, eu tava chateado comigo mesmo e meu pai disse "que se eu quisesse ser ciclista eu tinha que treinar mais, mas no momento atual minha prioridade era Trabalho e estudo pq eu não ia ganhar muito mais que sofrimento neste esporte que nao tem incentivo se tu é filho de operário"
Depois desse feito Bicicleta foi só trabalho,meio de transporte e lazer e em 2015 decidi encarar como esporte pra tentar resgatar o que quando Criança eu queria nem que fosse por um breve momento viver que é o Ciclismo....
Eduardo Macedo bem no canto do portico a esquerda.


Adicionar legenda

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Partiu 500 Milhas Del Norte....

500 Milhas Del Norte do Uruguai...
Aconteceu na Cidade de Artigas a 48° edição das 500 Milhas Del Norte.
Eduardo Macedo, Jim Daniel Guzinski e Diego Sanchez fizeram parte da Equipe Gaucha Poa BikeRS.
Realizada nos dias 22 até 26 de março de 2016, foi dividida em 5 etapas.


PROLOGO!

O prologo se resumia a 3,2km dentro da cidade de artigas, quem fizesse em menor tempo sairia na segunda etapa com a camisa de lider, e o Rafael Safadi foi o melhor tempo.


2°- ESTRADA! 
Quem liderou até agora as 500 Millas del Norte é o Rafael Safadi o Rosinha!
Hoje foi uma prova de 101km com media de 41 km/h
Uma prova cheia de ataques e o tombos, num deles fui ate para grama!
Eu e o Jim estávamos nos defendendo e um ajudando o outro, O Diego Sanchez cortou em uma brusca subida mas conseguiu acabar no segundo Bloco!
A Equipe Gaucha PoaBikers esta lutando para ficar entre as 10 melhores!
Vamos que ainda temos ate o final de semana e muitos kms para trabalhar!


3°- ESTRADA! 

Largamos para a Terceira etapa, logo no km 20 eu furei o Pneu Traseiro, como não temos carro de apoio a roda reserva estava no Carro Neutro, o Carro neutro levou mais de 1 minuto pra chegar e nisso o pelotão indo embora a 50 km/h.
Quando chego no Carro Neutro fui pegar a Roda reserva do Diego e o pneu tava com a pressão bem baixa, mas azar...
Segui em uma
 Fuga alucinada atrás do pelotão mas nisso eu já tinha levado 4min...
4km antes de fazer o retorno na estrada vejo o Melchior em uma Fuga que já tinha tirado mais de 1 min do pelotão,quando passo pelo pelotão vejo p Jim no meio e já me tranquilizo por saber que ele tava no meio e bem.
Faço a Volta na estrada e me deparo com um vento contra que vai me fazer nunca mais reclamar do vento contra de Porto Alegre....
20 km depois eu já no km 42 o Pneu novamente furado e um carro da organização encosta no meu lado e pergunta se eu quero abandonar e voltar de carro.
Eu estava a 60 km de Artigas, se eu voltasse de carro eu seria desclassificado e acabaria as 500 pra mim.
Agradeci p motorista me levantei da bike e fui andando a 10km/..
3km depois um Tiozinho que estava com sua bike vendo a corrida em um dos pontos de controle me pergunta se eu queria a roda dele, e eu na hora aceitei, trocamos a roda e ele disse que pegava uma carona em um carro e me encontrava em Artigas...
Segui Loko de faceiro todo Farropeiro, tinha 3 marchas funcionando mas azar eu preciso acabar as 500 Milhas!
Fui pegando retardatários no meio da estrada e os passando, Deus sabe o quanto fiz força nessa prova, ja sem agua...
Os últimos 10 km foram os mais motivadores pq eu nao tirei o PÉ! Subi todas as lombas fazendo força e desvias elas socando a Bicicletinha, e as pessoas na frente das cassas aplaudindo e gritando pra min continuar..
- vamoo Boludoo, non desistes
- Força Brasilll
Chegando no centro de Artigas tem uma super descida ate a linha de chegada, ali eu serrei a marcha no eixo e fui a mais de 55km/h sendo muito aplaudido!
Cruzei a linha de chegada, levei 20 min no tempo total, fiquei meio chateado mas faz parte de aprendizagem e furar pneu depois de atropelar uma super pedra faz parte!
Mas fico feliz pois o Jim Guzinski esta com o tempo do Pelotão a 59segundos so lider das 500 que é o Rafael Safadi (rosinha).


4°- CRONO!

Crono era em um circuito de 13,2km com uma subida muito ingrime emque um Argentino fez 40s abaixo do Rafael Safadi o deixando em 2° lugar por 16s, o Vanderlei Melchior fez o Terceiro tempo em 19:04, e o Jim foi o que melhor se destacou no crono na nossa equipe com o tempo de 21:31.
Ventava muito e o tempo não perdoava.


5°- ESTRADA FINAL! 

Ultima etapa das 500 millas del Norte...
Então eu olho ao meu redor, chuva, muito vento e frio, analiso os corredores, vejo que estou no meio de uma Guerra entre Brasil Argentina e Uruguai.
Eu tenho plena consciência que hoje sou apenas mais um coadjuvante tentando sobreviver nesta etapa...
Km 00 - 120 bpm - larga a baixo de chuva a quinta etapa vou me posicionando pra frente junto com o Jim sempre olhando o Melchior e vendo como ele se posicionava no pelotão, logo de inicio começamos a descer -55km/h e a bike instável, logo entrando no plano a velocidade mesmo contra o vento nao reduzia e eu sabia que ligo viria a subida...
Km 04 - 178 bpm - começa a subida e o pelotão começa a se espichar, la na ponta só dava pra ver ataques e o Melchior saltando a cada ataque e eu olhando tudo de camarote junto com o Jim, mas resistindo, o vento vinha muito forte mas o pelotão continuava a mais de 40km/h....
Km 10 - 175 bpm -o Melchior fura o pneu e logo o Henrique salta e da a bike dele para o Melchior continuar na corrida, pó mais que eu quisesse ajudar eu nao tenho experiência ainda, mas toda a experiência do Melchior fez ele ir saltando até chegar ao pelotão principal...
Km 14 - 182 bpm - chegamos a uma descida muito íngreme com um vento lateral que fazia todos pedalar de lado e fazendo muita força pra descer a 50 km/h, o pelotão se espicha e fica com mais de 100 metros...
Km 16 - 184 bom - o pelotão faz o primeiro retorno na estrada e agora o vento é a favor, Na virada como estávamos no fim do pelotão levamos um super elástico e o Diego corta e eu e o Jim levamos uns 300 metros do pelotão principal, nos juntamos a mais alguns ciclistas e começamos a perseguição...
Km 22 - 178 bom - eu e o Jim e mais 3 uruguaios entramos em revezamento de elo, com vento a favor e 53/12-11 a 55/58 km/h, quando chegávamos nas subidas nao tirávamos o pé até entrar na descida em que colocamos 75 com picos de 80 km/h abaixo de chuva e vento, chegava a doer os braços de segurar o guidão....
Km 35 - 176 bpm - começa a segunda volta na estrada e já encostamos no pelotão principal, vamos la pra ponta do pelote e subimos entre os primeiros, mas logo que entrou no falso plano o vento cerrado nos força a entrar no meio do pelotão, pois nesse momento os argentinos começaram a bater para tentar quebrar o pelotão, isso nos próximos 15km...
Km 50 - 174 bpm - já estamos na parte que o vento esta a favor e já teve um monte de cortes no pelotão e tem uma fuga de 2 argentinos com mais de 12segundos, me posiciono bem na parte da frente e começa uma subida forte, a ultima antes da maior descida e como o pelotão estava muito grande, dei uma paulada e assumi a ponta e comecei a descer na media de 80km/h, o vento estava lateral e em algumas rajadas de vento a bike se torcia toda, mas atrás de mim estava a boiada então era pedalar, logo no plano já fui me posicionando no meio do pelotão pra começar a ultima volta...
Km 66 - 179 bpm - antes do começo da subida acontece uma queda e mais de 15 ciclistas caem, eu e o Jim cerramos no mato e escapamos da queda o Melchior cai mas logo levanta muito rápido e já encosta no pelotão, a pauleira na subida começa a comer solta meu coração acelera já tava a 187bpm, termina a subida e o vento fica muito forte e no plano a paulera cantando e o pelotão espicha novamente, já vou me posicionando na frente pq sabia que a qualquer momento o pelotão pode cortar...
Km 80 - 184 bpm estava faltando 4km para acabar o vento contra e o pelotão virar na estrada, eu já tava olhando a grama e imaginando como seria bom eu me atirar ali e ficar deitadinho naquela grama molhada, logo passa uns 5 por mim e eu pulo na roda e o pelotão corta logo a 1 km de virar e o Jim fica no bloco de trás....
Km 85 - 180 bpm - a pauleira ta comendo solta eu fico tentando me defender pra nao deixar cortar, clico na alavanca de cambio e já resetei a marcha 53/11 e o pelotão indo como se nao tivesse limites, logo chegamos em uma subida que desapareceu , subimos tão rápido que nem troquei de marcha e nisso o pelotão já todo destroçado, nada compactado, quem tava na frente tava dando tudo e eu a mais de 100 metros dos ponteiros e o pelotão esticando até quebrar todo e o Rosinha salta como se fosse uma MOTO sozinho, deixando o argentino sem reação..
Km 94 - cento e seiscentos Bpm - logo que termina a super descida serrado na 11 fico revezando com 3 uruguaios pra diminuir a vantagem do primeiro pelotão, pq já não existia um certo pelotão, estavam tudo esfarrapados na estrada, do jeito que eu vim no plano eu coloquei na subida e entrei na Cidade de Artigas, uma chuva e as pessoas mas casas mando do forças e aplaudindo, isso deu mais força ate cruzar a linha de chegada em 22....
Chegando uma alegria toma conta de mim em ver que acabamos as 500 millas, feliz fiquei em ver que o Melchior ficou em Quarto na geral e que o Rafael Safadi ganhou as 500...
Agora fico analisando o tamanho da Jornada que tenho que seguir, vai ser irado!
Resumo da ópera de 130 Cicliwtas e 26 equipes
Jim ficou com o 26 me melhor tempo.
Eu Fiquei com 66 posição (mesmo furando pneu)
Diego ficou 74 posição
A Equipe Gaucha PoaBikeRS ficou em 12 lugar!




quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Seleção Gaucha de Ciclismo - 1946



1946 - A equipe da Federação Gaúcha de Ciclismo se preparava para o ''Circuito Ciclistico do Distrito Federal '' no Rio de Janeiro que na epoca era a capital do Brasil...
Ponteando a equipe no momento em que foi batido o flagrante em estava - Arthur Macedo - 2º Nei Collin, - 3º Carlos Montanha - 4º BERNARDO HEIDNER - 5º DANTE COMELLI - 6°Bruno Richter Pai do Mario Richter..
Eu sei por historias que quem ganhou essa Prova foi o Carlos Montanha e meu pai Artur Macedo chegou em 7°, seguido pelo Dante Comelli.
De porto alegre ao Rio de janeiro de Barco a Vapor se levava 6 dias...

Saiba mais em http://macedobike.blogspot.com.br/p/historia.html

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Ciclovias em marcha Lenta

Matéria da Zero Hora sobre as Ciclovias de Porto Alegre...

http://zh.clicrbs.com.br/especiais-zh/zh-ciclovias/

sexta-feira, 15 de maio de 2015

Bottecchia Emme 2



Eu queria poder voltar no tempo, tipo uns 10 anos atrás e voltar na minha antiga Bicicletaria e mostrar para mim mesmo a Bicicleta que eu tenho Hoje.


A Bottecchia Emme 2 Sempre e estritamente Made in Italy, é feita com o Processo de Bonded carbono, a ''fatta manon italia'' única técnica que faz com que,a criação do quadro personalizado seja possível para as características geométricas.

Tubos de carbono Toray HHM-M55J em módulo oi e alta resistência são produzidos na Itália conforme as especificações do Bottecchia. 
As principais características deste quadro são o peso mínimo,alta resistência e rigidez ideal, 
A fabricaçao a mao permite explorar ao máximo a potência utilizada por causa das formas do quadro, otimizando o desempenho e fazendo EMME2 um quadro para uso profissional




terça-feira, 31 de março de 2015

Episódio final da primeira temporada da nossa série FIXED GEAR.

FIXED GEAR - Episódio Final - Temporada 1 from Skid Filmes on Vimeo.

veja mais no Vimeo  da SKID 
''EU ando de bike Fixa pq ela é a extensão do meu corpo .
Não posso parar e nem quero...
Obrigado a todos que hoje trabalharam para promover a Bicicleta''

Uma das das frases mais usadas pelos usuários da Fixa é que .''ela é a extensão do meu corpo .''

 Quando tu anda de Fixa tu se liga a Bicicleta, é como caminhar, você só se movimenta se voce pedala, e se você para você não anda.
Apesar de parecerem bicicletas convencionais a um primeiro olhar desatento, as fixas diferem delas em diversos aspectos. O principal é não terem roda livre, ou seja, os pedais se movem o tempo todo junto com as rodas.
Por essa característica, os próprios pedais são utilizados para frenagem, o que faz com que tradicionalmente não precisem de um sistema de freios. Também não possuem marchas. Em se tratando de fixas, menos é mais.

Por serem leves, ágeis, demandarem baixa manutenção e não terem peças “roubáveis”, necessitando apenas de uma pequena u-lock ao estacionar, as fixas são muito utilizadas pelos famosos bike messengers de Nova Iorque, que rasgam a cidade em alta velocidade, desviando de tudo e de todos com extrema agilidade.
Primando pela leveza e pela simplicidade, os fixeiros (leia “ficseiros”) capricham nos detalhes, do quadro com pintura especial e selim de couro até o vestuário. Apesar de haver modelos produzidos por fabricantes tradicionais de bicicletas, a maioria das fixas são customizadas, às vezes até montadas em casa com peças compradas por aí. Há até mesmo quadros feitos à mão, personalizados para a alma do dono, como katanas. O dono de uma fixa costuma ter muito orgulho de sua bicicleta.
Quem passa a usar uma fixa integra um novo universo, interessante e diversificado, que envolve bem mais que a bicicleta. Há toda uma subcultura a seu redor, envolvendo moda, comportamento, ideologia e até esporte: o Bike Polo é bastante adequado às fixas (entre outros motivos, pela maior facilidade em realizar trackstands).                                             Fonte

Equipe de filmagem da Skid Films 

Criterio Fixed no Rio de Janeiro

Criterio Fixed #1 from Macedaria on Vimeo.


Primeira corrida Criterio Fixed no Rio de Janeiro.
Data: 17/05/2014. Categoria 1.
Criterium é uma prova de ciclismo tradicional disputada em um circuito fechado, curto e técnico de um centro urbano. O Criterio Fixed será realizado a noite com bicicletas de velódromo, fixas sem freios . Os ciclistas precisam ter habilidades técnicas e um alto nível de aptidão fisica
14 voltas
Distância aproximada total de 25,2 kms
Pinhão fixo obrigatório
Capacete obrigatório
Guidão drop obrigatório
Freios proibidos
O ciclista que levar uma volta do líder será eliminado e deverá sair do circuito imediatamente pela direita.
É permitido pegar vácuo
É proibido fechar outro ciclista


Nesta Corrida eu Corri com a Columbus Ex


Foi uma corrida que vou guardar para sempre, os melhores Ciclistas do Brasil estavam.
Um clima muito amigável e competitivo, ambulância e segurança no local, com boa comida .
Com certeza o rio de Janeiro vai me deixar saudades .







Captura: Eduardo Macedo (Macedaria + Gaúcha Bike)
Edição e montagem: Adriana Leonel
*
**
*** O conteúdo sonoro não é de autoria própria e não houve intenção de violar quaisquer direitos autorais.
Créditos das músicas:
Antrax - Deathrider (1984)
Pantera - Cowboys from hell (1990)
Twisted Sister - We're gonna make it (1983)
Metallica - Fuel (1998)
Motörhead - Ace of Spades (1980)